quinta-feira, 25 de julho de 2013

Parábola Divina

A maldade e aquilo que é natural se distinguem no momento em que o sapo abocanha a abelha e essa lhe aferroa a língua, mas mesmo assim - e sabendo de sua morte iminente - ainda ela se submete como alimento para seu penoso algoz... 

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Quero as Portas Abertas

Eu não quero dinheiro, embora - ainda que um símbolo - ele seja uma das principais bases de tudo. Eu quero a experiência. Sem experimentação não se transcende. O objetivo é conhecer, para poder ser livre. Meu desejo é obter um entendimento mútuo entre mim e o que acontece no universo. Pois uma vez que não haja verba, mas a possibilidade da sensação existir, o dinheiro é só um símbolo efêmero. Então minha meta passa a ser o sentimento. Instigar meus sentidos é o compromisso que firmei comigo para que minha razão possa balancear o que ocorre no exterior de mim. O que quero dizer é que, o importante é as portas estarem/serem abertas... As chaves são apenas apetrechos de utilidade...

quarta-feira, 3 de julho de 2013

O que se passa na cabeça de um gato?

O que se passa na cabeça de um gato
É o que buscam os humanos, sem saber
Pois um gato, ali, suspenso, sensato
Calmo, em sossego, insiste em ser

Quem nunca viu gato olhar a parede
Em letargia, em torpor, em direção ao nada
De forma sucinta expressando uma sede 
Em vir, para o Cosmo, porta e escada?

Trás um gato, em si, noturna divindade
Não de livros, sacerdotes, e pura malvadeza
Sai um gato, astuto, à noite em liberdade

Sendo esse invejado por toda a Natureza
E os homens, que se afogam na lama da vaidade
Clamam enciumados felinas paz e destreza