quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Obediência não é Respeito

A confusão entre obediência e respeito é muito grande. E o engraçado é assemelhar antônimos. Quando um filho obedece ao pai, é pelo medo do tapa, do castigo. Mas vem a respeitar, quando o genitor lhe causa admiração, segurança. Na escola, o aluno obedece, pois está sob a ameaça da nota vermelha, da represália por meio da reprovação, todavia, tende ao respeito quando o meste lhe atenua o incômodo do não saber, através da elucidação. Quando se fala em leis, daí então, tem-se um aglomerado de obedientes, que as seguem pela tensão causada por conta do temor à punição. Porém, quantos as respeitam por si próprios, compreendendo-as como um acordo a evitar abusos de uns para com os outros? Obediência não é respeito, não. Obediência é submissão, é imposição feita de alguém que está "acima", por algum motivo, sobre, obviamente, um que não dispõe de certa ferramenta (arma) tal qual o opressor. Obediência é um desrespeito. César venceu Pompeu porque seu exército lhe tinha respeito. Suas tropas eram bem menores que as de seu oponente, no entanto, os soldados lhe admiravam, ao passo que Pompeu impunha o medo a seus guerreiros, lhes determinava a obediência, lutavam com pavor do inimigo e do comandante. A obediência é corrupta, mal caráter. Ela é a sobreposição da imbecilidade à ignorância. O respeitoso é, em verdade, um desobediente, e o respeitado, desobedecido por si, além. Os respeitáveis são aqueles a quem ninguém obedece, pois, já o são, exatamente porque estão libertos da tosca necessidade de serem obedecidos. Como são dignos de respeito, respeitam. Entendem a satisfação que é o respeitar, propriamente dito. O captam como a sua essência intrínseca de espontaneidade, como algo vindo de dentro e exposto como uma vontade do impulso, da naturalidade de querer respeitar. Já o obedecer, é como uma estaca fincada pela mão do externo. É pontiagudo e dolorido, quando não soca como uma marreta, e desacorda o sujeito, de seus sentidos. Obedecer é horrível, é nauseante, é ultrajante. Agora, respeitar é uma delícia. Deveria-se provar, pra se ver o quanto é bom. Faz-se questão de respeitar. O indivíduo sente-se respeitado por si mesmo. Alivia o que de tenso, coça. Esvazia o que está na hora de sair. Obedecer é um lixo, mas respeitar chega a dar um tesão...

Nenhum comentário:

Postar um comentário