segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Gostosa


Uma mulher não é gostosa apenas nas coxas, na bunda, nos peitos. Uma mulher é gostosa no pescoço, na pele, na cor - na textura da pele - , na carne... Os dedos das mãos, o peito dos pés, a boca... ahhh, a boca... Quando uma boca é bonita... Quando cada parte individual do rosto tem sua sensualidade; o cabelo (cabeleira, cabeluda, escabelada...)... O contorno dos ombros...

Uma mulher que, basta a visão para sentir seu cheiro, seu toque, a vibração, o gosto, isso é uma mulher gostosa. Mas gostosa, mesmo, é a que tem olhar de gostosa (é preciso fritar um pouco de cérebro para descrever). É um olhar enigmático. Beira o sinistro. Ora, chega a dar um gelo no estômago do cidadão, quase que uma falta de ar. Ela assusta, mas, tipo o demônio, atrai hipnoticamente, chupa a atenção do cara, fazendo com que, mesmo por uma fração de segundo, o sujeito se perceba completamente subjugado; submetido à expectativa da surpresa - "preciso entrar ali, tenho que descobrir o que há lá dentro! Alguma coisa há.".

E a impressão que dá é que nem todas nascem ou são pré-dispostas a serem gostosas. Algumas parecem aprender ao longo do tempo. Ou todas têm na sua natureza a gostosura. Mas o que acontece fora das individualidades é determinante, e muitas vezes sem um mínimo de controle. Pode ser que o número de mulheres gostosas fosse bem maior que o vigente, mesmo sem ter que dar uns goles em algo bem forte. Ou é o homem que, embriagado pela sua sanidade idiota, necessita de tais artifícios para notar o simples que torna uma mulher gostosa em sua plenitude: a capacidade de presenciar a gostosura sem ser imaginando o que está sob as calças e dentro dos bolsos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário