quarta-feira, 27 de junho de 2012

Oração do Nobre


Pai nosso, se estais no céu
Respeitados sejam nossos nomes
Vá a vós a nossa Anarquia
Sejam feitas individuais vontades
Assim na Terra como em qualquer outro lugar

O pão nosso de cada dia, assemos hoje
Perdoemo-nos nossas próprias ofensas
Assim como deveríamos perdoar
A quem nos tem ofendido
E deixeis que aproveitemos as tentações
Pois não existe O Bem ou O Mal
Amém

Maculada Boca


Maculada boca
Hospedeira do fálico
Imbeijável
Suja 
De branca baba
Imunda 
Contaminada 


Maculada boca
De sorriso azedo
De lábio ferido
Profanada
Boca de lixo
Boca de peixe
Cheiro de peixe


Maculada boca
Ladra
De alimento fraterno
Ladra do leite
Da irmã escondida
Ladra, cadela
Cadela no cio


Maculada boca
Sem escrúpulos
Fingida
Ofídea
Cuspideira
Bebedora
De leitoso escarro

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Sorrisos


Os dois se encontraram, finalmente...
Depois de tanto tempo...
Mas naquele lugar, estavam na mesma condição...
O que primeiro ali chegara
Era óbvio que esperava o outro...
O outro, nada esperava...
Mas quando encontrou o primeiro
Espanto não lhe faltou
Pois sentia demasiada saudade no peito...
E qualquer mágoa no peito
Foi suprimida por dois sorrisos
Sucedidos por choros felizes de reencontro
E eles só se olhavam
E lacrimejavam...
E olhavam ao redor...
E a cor de tudo era tão resplandecente
Que chegaram perto um do outro
Sentados numa suave relva
Abraçando-se...
E por aquele momento esqueceram-se 
De qualquer lástima de qualquer vida
Ainda que aquele momento nunca mais acabasse...

segunda-feira, 11 de junho de 2012

O Orgulhoso

O pior inimigo do habilidoso
É o que muito orgulho tem
Ainda que iludido, invejoso
Pensa que é habilidoso, também

Uns têm habilidade
Outros, admiração
Mas os pobres com vaidade
Temem hábeis de criação

O orgulhoso pode não entender
Que não necessita ser adversário
E que o tal só vem a sofrer
Se for pra si mesmo, falsário

Inveja o peito corrói
A desejar semelhante prestígio
Vilão que quer ser herói
Sem talento em qualquer vestígio

Hábil espírito que lhe incomoda
É a vaidade que lho prejudica
Mas faz aos dons, cotidiana poda
E toda a vida, nas trevas, fica

sábado, 9 de junho de 2012

"O Trabalho Enobrece o Homem" - Parte II

O trabalho enobrece porcaria nenhuma. O trabalho é só uma necessidade. Só falta, então, dizerem que as necessidades enobrecem as pessoas. Alguém aqui acha muito nobre a ação de defecar? Ora, é necessário defecar. Se a necessidade é honraria pra alguém, que se cantem hinos na hora de dar uma aliviada. Ah, o pai de família, que sai de casa bem cedo todos os dias para trazer o pão para seus filhos... Bom... Começa a fazer sentido. O reconhecimento vem quando a criançada evacua no banheiro. Então é isso!!! "Obrar" também dignifica o Homem; o torna mais íntegro e merecedor de respeito! É certo que não gostamos de pensar numa donzelinha exercendo com esforço a sua nobreza. Mas ainda que não trabalhe da mesma forma que seu exemplar marido, não lhe falta decoro e integridade: ela defeca... Pois bem, ao decorrer tamanha reflexão, compreende-se agora com total clareza o quão admirável o trabalho torna um ser humano, ainda que trabalhar seja uma verdadeira bosta...

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Imperador Maluco


Nunca pressiones o artista
Se não for a Arte o seu dever
Pois a Arte é o seu ser
E sem seu ser, o artista é nada...

Não sufoques o artista
Não o submetas ao que for
A Arte é um Senhor
Sedutor, amante
É um diabo e um deus
Que aprisiona e que liberta

O artista é de si mesmo
E é de todo o meio
A diferença dele para com outrem
É que nele cabe o mundo 
E também ninguém

Se tu acorrentares um artista
Mesmo que com grilhão no pé
Vai ser sua alma, ameaçada
E vai ser sua alma, endiabrada
E vai ser seu mundo, desperdiçado

Então, monstro surgirá
E consequências hão de se arcar

Ora, é só lembrar
Dos últimos balbucios de Nero
"Roma perde seu maior artista"
Por conta do capricho egoísta
Em torná-lo imperador

Portanto, tens o exemplo
Deixa o artista fazer Arte
Arte que tu não tens
Ou então
Arca com o preço (caríssimo)
E aguenta, e não reclama
Se deparares-te com um Imperador Maluco