segunda-feira, 23 de abril de 2012

Os filhos não são dos pais, são de si mesmos

Sabes por que não quero ter filhos? Porque não tenho motivos para tê-los. Por que eu teria filhos? Para ter a quem amar? Porque eu viria a sentir uma certa necessidade de canalizar meu amor a alguém? Então, tentaria arrumar uma companheira ou adotaria uma criança (ou um gato). Já existem muitos nascidos no mundo, e grande parte deles já sofre o bastante.

Muitos amigos meus me questionaram se eu não penso em deixar meu "legado" na Terra, minha "semente", meu DNA. Outros indagaram se não me preocupava com as dificuldades da velhice, se não tinha medo de ter a ninguém na finaleira da vida. Há ainda uma dúzia de mulheres que reclamam o direito de gerar uma vida dentro de si mesmas, com a desculpa de que seu instinto implora essa natureza...

Penso que todos esses porquês me parecem um tanto egoístas. Simples caprichos individuais ou conjugais. Meu legado, a herança que quero deixar, são minhas ideias, meus pensamentos, as poucas certezas... O meu DNA vai apodrecer quando da morte do meu filho, e da do filho dele, e assim por diante. Parece que 2% da população mundial de hoje tem os genes de Gengis Khan, e eu pergunto, e daí? Eu jamais seria gerador dum ser humano, para perpetuar minha linhagem. O material perece. E embora sempre exista um considerável receio acerca da velhice, não quero ter participação no nascimento de uma enfermeira pra mim mesmo ou pra minha esposa - aquela que sente necessidade biológica de produzir uma vida dentro de si. Já tivemos tantos bons professores ao longo das eras, que trouxeram à tona toda a nossa atual racionalidade, que não me é surpreendente que esse desejo feminino de criar vida dentro de si não passe de um sentimento mesquinho de fantasiar ser "Deus". O que elas não percebem é que essa vida é uma existência "alienígena" no seu interior. É um universo à parte de sua maternidade.


Planejar ter um filho é bastante estranho a meu ver. Usando a razão, só entendo um desejo impulsivo de se ter um ente o qual, senão a vida inteira, boa parte da existência vai estar subjugada à vontade de seus genitores. Não estou dizendo que os pais não amem seus filhos. Mas é possível que o façam antes mesmo de seu nascimento?

Muito cuidado ao planejares um filho, pois, sem perceberes, podes estar o fazendo com a intenção de reproduzires a ti mesmo. Os filhos não são dos pais; eles são de si mesmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário