quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Um Cara Detestável

Eu sou um daqueles caras que costumam ser detestados. Daqueles tipos diferentes que ninguém suporta. Todo mundo tem medo de mim. Os que não têm medo, têm nojo. Uns poucos têm pena. Eu sou aquela espécie de gente que a sociedade tem horror de enxergar. Pra três quartos do mundo, eu sou o bicho mais feio que existe; pra o outro quarto, sou o segundo.

Meus pensamentos são uma afronta pra o mundo. Minhas idéias são diabólicas! Imagina só: eu falo em liberdade, falo em amor, em sexo... Eu discuto, sim, religião, futebol, política... Eu gosto de poesias. Até me atrevo, vez que outra, a escrever uns versinhos sem lá grande técnica. Eu costumo pensar...

As pessoas detestam quem pensa. Ora, elas são peões num tabuleiro de xadrez. Podem avançar duas casas na primeira jogada, se assim o desejarem, mas depois disso, só lhes é possível andar numa única direção, e a passos muito lentos. A única exceção é quando há um “adversário” a ser eliminado. Aí, um pequeno desvio é permitido. Receio vir a ser um adversário desses. Receio me tornar um daqueles os quais vi as pessoas ao meu redor – desde quando era criança – dizerem que “não prestam”; que “não valem nada”...

Pode ser que a maioria das pessoas tenha quase tudo em comum. Mas eu sou diferente. E ainda que seja da natureza humana excluir seus não-semelhantes, já passa da hora de deixarmos para trás a escravidão do instinto. Minhas distinções são particularidades minhas; só dizem respeito a mim e a ninguém mais. Gosto do meu direito de pensar e de viver. E mesmo assim, não sou indiferente quanto a estar sendo prejudicial a outrem. De qualquer forma, costumam-me culpar por exercer esse direito. E as pessoas culpadas sofrem do desprezo, do medo, do nojo daqueles que seguem à risca as regras do xadrez natural de suas vidas. E o resultado disso: acaba-se sendo eliminado.

Sim, eu cometo erros. Incontáveis. Por gostar de pensar, os percebo mais do que qualquer um. Portanto, basta que eu mesmo me culpe. Quem achar que estou indo muito errado, não me puna por isso, mas me tente consertar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário