quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Ilustres Filhos

Lendo sobre a polêmica acerca da mudança do nome da Avenida Presidente Castelo Branco, em Porto Alegre, lembrei-me de uma vez que entrei na prefeitura de Taquara e (não me vem à memória o que eu fazia lá) me sentei próximo à entrada do gabinete do prefeito. Não tendo o que fazer, sem companhia, olhando pra o teto e para as paredes, percebi um quadro pintado à mão, de uma figura pomposa e severa. Logo abaixo da moldura, uma plaqueta de metal identificava o dito cujo. Dizia assim: “Gal. Adalberto Pereira dos Santos, Vice-Presidente da República, ilustre filho de Taquara”.

Aqueles que não têm conhecimento de quem foi, olham pra aquele retrato e provavelmente sentem orgulho de serem conterrâneos de uma personalidade política tão importante da história do país. O que eles ignoram é que Adalberto Pereira dos Santos foi um dos líderes e responsáveis por um dos piores períodos da república brasileira: ele foi o Vice-Ditador do mandato de Ernesto Geisel (1974 – 1979).

O que me chamou a atenção foi o fato de estarmos em uma época na qual se fala tanto em Democracia, as ditaduras estão tão fora de moda, a liberdade de expressão é tão amplamente almejada, e na cidade de Taquara, quase de fronte à porta do prefeito, uma homenagem a um déspota... Por aqui, me parece que basta apenas ter estado no poder e já se é digno de honrarias. Tanto faz se o sujeito foi um tirano facínora, perseguidor de intelectuais e artistas contrários a ele, carrasco do próprio povo... Isso parece não ter importância.

Fico imaginando percorrer, um dia, a cidade de Braunau am Inn, no norte da Áustria, e visitando sua prefeitura, encontrar em frente à sala de seu prefeito uma pintura identificada por uma plaqueta de bronze: “Adolf Hitler, Füher do III Reich, ilustre filho da cidade”... Aqui no Brasil, em Porto Alegre, o vereador Pedro Ruas propõe a mudança do nome da Avenida Presidente Castelo Branco para Avenida da Legalidade, homenageando logo um movimento heróico protagonizado pelo então governador do estado Leonel Brizola, que atrasou por cerca de três anos o golpe militar e a subida dos crápulas ao poder e consequentemente o sofrimento da população. Quem sabe aqui em Taquara devamos tirar o quadro do ditador e, caso não se encontre um único tipo a ser homenageado na cidade, deixemos sem quadro algum. A parede é mais bonita que aquela carranca.

Francamente, na minha opinião, a maioria daqueles quadros de prefeitos taquarenses não estaria ali. Mas isso é canja pra uma outra oportunidade....

Nenhum comentário:

Postar um comentário