domingo, 18 de julho de 2010

O Estratego

Deus deu como punição ao homem,
Por no Éden cometer pecado,
A incumbência de domar a mulher

Deus é um exímio estratego

Sabe que o mortal as máculas que mais consomem
São a preguiça, delicioso fardo,
E a luxúria que puder

O homem ama o sexo e o sossego

Não tendo Deus a capacidade
Para atingir o prodigioso feito
Castigou-o com tal missão

Impossível, aparentemente

E o homem, por ingenuidade
Tenta, mas não há jeito
A mulher se governa, é seu próprio patrão

Talvez só obedeça à serpente

Um comentário: